Estes são os Blogues dos que amam Angola

Estes são os Blogues dos que amam Angola
Carreguem com o rato nesta imágem

Musica

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Porto Amboim


Porto Amboim é uma cidade portuária de Angola com uma população de 65.000, que compreende uma área de 4.638 km ². É conectado por um isolado 123 km 610 milímetros estreitos ferroviários Gabela, Embora fechado em 1987 devido à guerra civil e ao abandono da maioria das plantações de café, a maior fonte de receitas da Gabela. Originalmente Porto Amboim era conhecido como Kissonde, uma pequena vila depois colonizada em 1587 pelo Português nomeá-lo e depois Benguela Benguela Velha (Old Benguela), devido à criação de outra aldeia hoje conhecida como Benguela. Em 1923, o nome foi mudado para Porto Amboim.
Esta cidade era ligada á cidade da Gabela por um caminho-de-ferro onde circulava um comboio movido a lenha. Dois homens seguiam, de pé, entre a fornalha e a vagonete que transportava a lenha. Iam colocando lenha e mantendo a chama bem acesa para que a caldeira de água continuasse a ferver, tipo panela de pressão, para que, com essa pressão, empurrasse os pistões para cima e para baixo a fim de, através dos êmbolos, fizesse mover as rodas. Nas subidas teriam que dar força á fogueira, na descida teriam que, com um balde, atirar com água para a fogueira acalmasse e assim obrigaria o comboio a andar menos.
Lá subia e lá descia, por entre a floresta deixando para traz muito fumo, o comboio apitando e fazendo “Pouca terra Muita terra, Pouca terra muita terra… e toda a floresta, nas encostas dos morros do Amboim, sorria ao ver o Comboio (trem) passar. Nas aldeias, à beira da linha, toda a criançada corria para verem o bonito comboio passar. Piiiiiiiiiiiiiiiiiii Piiiiiiiiiiiiiiiiiii

8 comentários:

  1. Oi meu amigo, estava te devendo visita faz tempo, me perdoe pela demora, mas cá estou e quero dizer que gostei muito de sua história, da narração dela.
    Amei ler sobre o barulho do trem "Pouca terra, muita terra, pouca terra, muita terra"
    E depois o Piiiiiiiiiii Piiiiiiiiiii
    Nossa me deu vontade estardentro do trem.

    Amei.

    Beijos com carinho dessa sua amiga brasileira.

    ResponderEliminar
  2. Acho que esse som de muita terra pouca terra Piiiiiiiiii Piiiiiiiii, ficou em todos os meninos algum dia, eu mesma tenho esse som ainda no meu pensamento, mesmo em pequeninos na escola quando lia-mos livros era assim que dizia-mos o andar do comboio, gostei de ler mais uma das tuas recordações.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. José esse mundo tão grande é tão pequeno que sinto-me ai junto de ti. Fostes ao meu blog onde pretensamente tento escrever. E vim a teu paraíso leio aqui uma bela história onde um trem deixa sorrisos de crianças espalhados no seu trajeto. Lindo seu blog como dizes comente quero inflar meu ego faça-o você merece tem capacidade força muita fé. Grande abraço passei a ser seu seguidor e vou linkar pra quando aqui postares eu vir aqui comentar ou melhor ler e aprender meu novo amigo.

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigados a todos, os que veem aqui, me dar tanta força. Não vou falar em nomes... voces todos são a minha força! É para voces que escrevo com tanta garra. Um abraçãooooooo

    ResponderEliminar
  5. Está sendo uma visita rápida mas já estou completamente apaixonada pelo seu blog; vou colocá-lo entre os meus favoritos parater notícias dele diariamente. Estou lendo um livro sobre Angola, A Conjura de José Eduardo Agualusa, conhece?

    ResponderEliminar
  6. Aqui no Brasil, chamamos este tipo de trem de Maria Fumaça...

    Mas é triste tanta Guerra semeada pelo mundo.

    Fique com Deus, menino José.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  7. José, eu sou um daqueles que chefiava o pouca terra... pouca terra, ou seja o grande fumaça como dizia o ouvinte brasileiro, fui chefe da estação da Boa Entrada durante muito tempo, e depois passei para a estação da Gabela, na qual estive até ao fim , ou melhor até ao funeral do pouca terra, tenho muitas saudades de todo esse tempo que passei no Amboim, mas ao mesmo tempo encontro- me completamente triste em ver as imagens daquilo que eu sempre adorei ,completamente destruídas, tenho muitas saudades de todo o Quanza sul, que foi onde passei a minha mocidade. Por hoje fico por aqui, para a próxima serei um pouco mais claro, um grande abraço para todos os Angolanos, PRINCIPALMENTE PARA OA GABELENSES

    ResponderEliminar